Maria Teresa Tito de Morais condecorada pelo Presidente da República

LISBOA, 22 de abril de 2019 (CPR) – Maria Teresa Tito de Morais, fundadora do Conselho Português para os Refugiados (CPR) e Presidente da Direção até março deste ano, foi condecorada com o título de Grande-Oficial da Ordem da Liberdade, numa cerimónia que teve lugar no Palácio de Belém e foi presidida pelo Presidente da República.

Marcelo Rebelo de Sousa destacou “uma vida dedicada à solidariedade social, à abertura aos outros, ao combate ao fechamento, à clausura, à xenofobia e à não-aceitação”.

Com um percurso dedicado à causa dos refugiados, Maria Teresa Tito de Morais esteve exilada na Suiça nos anos 60/70, juntamente com o marido, Jaime Mendes. Após o seu regresso a Portugal, colaborou com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR).

Maria Teresa Tito de Morais tem trabalhado continuamente na construção de uma agenda nacional pelos direitos dos refugiados, contando com mais de 25 anos de serviço à comunidade e ao país.

Todos os colaboradores do CPR se congratulam com o merecido reconhecimento.

 

DIVERSOS PROJECTOS DO CPR SÃO FINANCIADOS PELO FUNDO ASILO, MIGRAÇÃO E INTEGRAÇÃO (FAMI)

 

De acordo com as últimas estatísticas, o número de migrantes forçados em todo o mundo ultrapassa os 65 milhões e não pára de aumentar. O número de pessoas que buscam protecão no nosso país é de cerca de 870 por ano ou 87 pessoas por cada milhão de habitantes, um número bastante inferior à média europeia (2600 pedidos por milhão de habitantes na UE-28, em 2015). Há mais de um quarto de século que o CPR, sempre em colaboração com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), procura minimizar as consequências das deslocações forçadas, em particular das pessoas acolhidas em Portugal.